NAÇÃO DO EQUILÍBRIO X NAÇÃO DA IRA




A Escritura relata em Daniel 8 uma guerra entre duas nações: Medo-pérsia contra Grécia. Devemos interpretar tudo que é descrito para que entendamos que a interpretação bíblica transcende um contexto histórico, tornando a Escritura aplicável e útil a qualquer época. O que significa a guerra entre esses dois reinos?

Medo-Pérsia

Média significa "território central" e Pérsia significa “puro” ou “esplêndido”, a centralidade destas duas nações no centro do mundo de então representa o equilíbrio espiritual (média) e essa nação é a nação do povo de Deus, como já era a nação do refúgio dos cativos judeus na época do relato da Escritura.

Grécia

Grécia no hebraico é chamada de Javã, o patriarca da nação. A etimologia de Javã aponta para "yayin", "efervescer" "vinho". Efervescência é ira, vinho é uma metáfora para ira ("vinho da ira", Ap 16.19). A Grécia  é chamada de "bode peludo", essa característica, "peludo", só aparece na Escritura referindo-se a Esaú que é Edom (Edom, "vermelho"). Edom é tipo da nação da ira (leia Obadias). Fica bastante claro essa relação quando o mensageiro diz "eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira".

Guerra entre nações

Na guerra destas duas nações, a Nação do Equilíbrio (Medo-Pérsia) será vencida (pisada) pela Nação da Ira (Grécia). Isso acontecerá por conta do orgulho da Nação do Equilíbrio pois ela engrandecerá a si mesmo (Dn 8.4). A Nação da Ira por seu próprio equilíbrio (Chifre entre os olhos) vencerá esta guerra e serve como instrumento de Deus para ensinar a todos que o orgulho misturado a qualquer virtude é destruidor. Depois, a Nação da ira se dividirá em quatro reinos. Javã, que é a Grécia, tem quatro filhos, são eles Elisá, Társis, Quitim e Dodanim. Cada nome representa um filho (reino) da ira. Elisá: "Deus do que virá"; Társis: valentia; Quitim: escória, consequências; Dodanim: liderança. Primeiro a ira reconhece um Deus (que Deus será esse?), depois gera valentia e consequências (na maioria das vezes ruins) e por fim pode dar origem a lideres, tudo na inspiração da ira. Depois se levantará outro Rei da Nação da Ira. Este é representado por Faneg ("gafanhoto" "destruidor"), tido como príncipe dos Jafetitas no tempo da Torre de Babel, que dividiram entre si as terras da Pérsia, Media e as ilhas do mar. Lembre-se que a história bíblica não é literal mas sim representativa.

O fim da Ira

Dn 8.23 "Mas, no fim do seu reinado, quando os prevaricadores tiverem chegado ao cúmulo": A ira gera transgressão, pecado.

Dn 8.23 "se levantará um rei, feroz de cara": A ira forma lideres arrogantes.

Dn 8.24 "e será entendido em adivinhações.": A ira tende ao conhecimento das trevas"

Dn 8.24 "E se fortalecerá a sua força, mas não pelo seu próprio poder": A ira procede de um poder oculto (Elisá)

Dn 8.24 "e destruirá maravilhosamente, e prosperará, e fará o que lhe aprouver: e destruirá os fortes e o povo santo: A ira resulta em destruição ou morte do povo de Deus.

Dn 8.25 "E pelo seu entendimento também fará prosperar o engano na sua mão": A ira gera entendimento do mal e engano.

Dn 8.25 "e no seu coração se engrandecerá, e por causa da tranquilidade destruirá muitos: A ira resulta em orgulho e destruição de muitos.

Dn 8.25 "e se levantará contra o príncipe dos príncipes": A ira é raiz de rebelião contra Deus.

Dn 8.25 "mas sem mão será quebrado.": O fim da ira é a destruição, a irremediável e natural QUEDA.

Um convite a você, faça parte da Nação do Equilíbrio. Você não será pisado pela Nação da Ira se for sábio e entender o seu lugar, o nosso lugar: aos pés de Jesus. Se você estar aos pés de Jesus e se quebrantar diante dele, você não será pisado por outros. Essa é a sua saída contra o orgulho, a colocíntida que envenena tanto o Equilíbrio, quanto a Ira. Siga esse rastro e te verei vivo no final dos dias! Abraço.



Autor: Gabriel Francisco da Silva Bezerra
05 de Dezembro de 2018



A REDENÇÃO DA MULHER




A mulher em Cristo é livre para exercer equilibradamente sua liberdade mas ainda, como todos, possui uma independência dependente. Independente porque ela é livre para ser independente; dependente porque, de qualquer forma, todos somos servos uns dos outros, sem distinção de raça ou sexo; mas também sem distinção de raça, regime ou sexo, somos todos iguais:

Gálatas 3:28 "Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus."

A mulher primeiramente foi criada do lado (costela) do homem, esta é a criação da mulher a partir do homem da terra, acompanhe:

Gênesis 2:22 "E da costela que o SENHOR Deus tomou do homem, formou (edificou) uma mulher: e trouxe-a a Adão."

Isto aconteceu no primeiro dia, como está escrito: "no dia em que o SENHOR Deus fez a terra e os céus [Primeiro dia], (...) formou o SENHOR Deus o homem do pó da terra (...), da costela que o SENHOR Deus tomou do homem, formou (edificou) uma mulher: e trouxe-a a Adão" (Gn 2.4, 7, 22).

Desta base, se conclui que a primeira mulher estava ligada ao homem por uma relação de dependência,  relação esta que serve de exemplo, na Escritura, para exemplificar ou alegorizar a dependência e servilidade histórica da mulher para com o seu marido, assim como a Igreja para com Cristo.

Romanos 7:2 "Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido."

A mulher é dominada pelo homem por conta do pecado humano:

Gênesis 3:16 "E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor terás filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará."

O terceiro dia da criação é tipo do terceiro dia da ressurreição de Cristo, isto, porque três em hebraico, significa "guimel", que por sua vez, significa "levante":

João 3:14 "E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o filho do homem seja levantado"
João 12:32 "E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim."

Em Cristo, com a libertação da humanidade da servidão do pecado, a obrigatoriedade da servidão da mulher foi também abolida. Hoje, a mulher serve por opção e livre escolha, assim como o homem. 

No sexto dia, o homem e a mulher, profeticamente é ou está sendo criado, à imagem e semelhança de Deus, pois a história da humanidade se resume em sete dias (Gn 1 e 2; ou setenta semanas, Dn 9.24), sendo que o sétimo dia é o descanso:

Hebreus 4: 9, 10 "Assim que resta ainda um descanso para o povo de Deus. Porque o que entrou em seu descanso, ele mesmo também repousou de suas obras, como Deus das suas."

Assim como a mulher serve o marido, o marido serve e cuida da sua mulher. A mulher não tem obrigação servil com o seu esposo, mas o seu serviço deve ser voluntário; da mesma forma, o homem serve a sua mulher, de livre vontade, assim como Cristo serve a igreja e lava (Jo 13.5) os seus pés:

Efésios 1:22
“e sujeitou todas as coisas debaixo dos seus pés, e para ser cabeça sobre todas as coisas o deu à igreja"


Toda a sujeição da mulher ao homem, na escritura, está baseado em Gênesis 3.16. Porém, toda a redenção da mulher em relação ao homem, está apoiado em Gênesis 1.26,27.

A glória do homem e da mulher é o SENHOR, e o homem e a mulher, são a glória de Deus:

Isaías 43:7 A todos os que são chamados pelo meu nome, e os que criei para minha glória; eu os formei, sim, eu os fiz.
Apocalipse 21:11 "E tinha a glória de Deus (...)"
Salmos 3:3 Mas tu, SENHOR, és um escudo para mim, a minha glória, e o que exalta a minha cabeça.


Cabeça é "rosh". Pela cabeça, que é Cristo, forma criadas todas as coisas, pois ele é o príncipe dos príncipes, o sumo sacerdote estre os demais sacerdotes. Porém Cristo não é a unica cabeça, não é o único líder, mesmo sendo o maior líder da Igreja. Cristo não é o único "reshit" ou princípio, há outros princípios, assim como outros fundamentos, pois de fato a igreja foi edificada no fundamento dos apóstolos e profetas (Ef 2.20). Há primícias em Cristo (1 Co 15.23), primícias para Deus (Ap 14.4) e nós mesmos, em Cristo, fomos gerados como primícias ou "reshit":

Tiago 1:18 "Segundo a sua própria vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias de suas criaturas."

A cabeça do homem é Cristo (1 Co 11.3). A cabeça da mulher é o homem, na perspectiva de Gênesis 3.16. Mas a mulher tem a sua própria cabeça, e o homem, da mesma forma, a sua. No plano redentor, em Cristo, a mulher é cabeça com o homem (Gn 1.26,27), assim como Cristo é cabeça com a igreja. Se o homem tem humildade de admitir esse fato, que admita, mas de forma alguma, algum homem ou mulher será admitido escravo de outrem, mas unicamente servos de Cristo (Ef 6.6):

1 Coríntios 7:23 "Fostes comprados por bom preço; não vos façais escravos dos homens."

O homem da terra foi criado primeiro, e posteriormente, sua mulher (Gn 2). Mas com a redenção, em Deus, homem e mulher são criados juntos (Gn 1.26,27) à semelhança do segundo homem dos céus (1 Co 15.47, 48), e por isso são iguais diante de Deus e de Cristo, pois para Deus não há acepção de pessoas, acepção, isto é, parcialidade ou favoritismo.

A mulher tem a sua glória, assim como a igreja, que é comparada a uma esposa (Ap 21.2) tem a sua própria glória, nos dois casos a glória é um só: Cristo.

O corpo da mulher é da mulher, quer seja casada ou solteira; o corpo do homem é do homem, quer seja casado ou solteiro. Leia 1 Co 7.4:

1 Coríntios 7:4 "A mulher não tem a autoridade sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também, da mesma maneira, o marido não tem a autoridade sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher.

O corpo da mulher só é de autoridade ou domínio do homem por um breve momento, quando os dois, sendo casados, se unem, e tornam-se uma só carne, um corpo único por junção; mas somente e somente em um momento oportuno e especifico do relacionamento do casal, uma só carne quando as luzes se apagam. 

O corpo do homem é dado por Deus ao homem para administração do homem. O corpo da mulher, da mesma forma é dado a mulher para a administração dela. Isto é, em ambos os casos, o domínio da mordomia cristã do corpo humano. Julgue você mesmo, quem deve cuidar de tais assuntos como cortar as unhas, o cabelo, o banho diário, escovar os dentes, ir ao médico, e demais cuidados? Todos nós temos responsabilidades particulares referentes a nossa própria autoridade sobre o corpo, tanto homens como mulheres. Salvo um momento e contextos específicos do casamento, o corpo do homem é do homem, sob seu poder e autoridade, e o corpo da mulher é da mulher, sob seu poder e autoridade. Não cuide em examinar a Escritura sobre tal assunto; a verdade também está ao nosso redor, não só em Jerusalém mas até na Grécia (At 17.23). Na ótica de um judeu talvez seria inadmissível tal pensamento, mas somos gentios, sem compromisso com as tradições judaicas antigas ou neo-testamentarias, pois Deus é Senhor de todos os povos e compreende cada avanço ideológico. A vida de um homem ou mulher não deve ser dominado cegamente pela Bíblia. 

Que a Bíblia nos inspire e o Espirito Santo nos domine! Que assim seja!



Autor: Gabriel Francisco da Silva Bezerra
03 de Setembro de 2018

NA TERRA DOS SONHOS





Quando sonho conheço mundos totalmente diferentes. Tudo que parecia impossível pode se realizar no embalo da noite. Descobri que no nosso mundo acontecem coisas incríveis como nos sonhos. Foi aí que eu pude perceber que a nossa terra também pode ser a terra dos sonhos. Você verá como essa terra é maravilhosa.


Na terra dos sonhos a Palavra tem muito poder. Elas influenciam as pessoas e até as coisas. Está escrito que se você acreditar na Palavra ela pode até mover montanhas. Tudo é possível para aquele que crê (Mc 9.23). A Palavra tem tanto poder que pode salvar até aqueles que estão perdidos em si mesmo. Isso porque a Palavra é Senhor do homem, a Palavra é Senhor de tudo.

Na terra dos sonhos nada é por acaso, pois está escrito em um livro cada momento da sua história. Não se impressione se algumas coisas parecerem coincidência. Não se preocupe, sua história é uma das mais incríveis, dentre tantas outras. Porém você escolhe se quer vive-la. Aliás, escolhas são outro grande poder da terra dos sonhos. Escolha andar nos caminhos de Deus, esse é o melhor caminho. Na terra dos sonhos você é a caneta que reescreve sobre o seu livro que já está escrito, então, não há motivos para fugir.

A terra dos sonhos é a terra dos milagres, tenha fé e você terá o seu. Se estiver cego, abra os olhos e você verá cavalos e carruagens de fogo. Se estiver paralítico, simplesmente levante e ande e pode até saltar. Se o tempo faltar, o sol pode até parecer parar só pra você. Se houver tempestade, não tema, ande sobre as águas revoltosas. Se estiver morto, ouça a voz que diz: -saia para fora, pois a morte é apenas um sono, na terra dos sonhos.

Acorde para a terra dos sonhos, pois tudo parece tão real nela, mas nada parece mais real do que aquilo que virá depois dela. Para chegar lá, viva com fidelidade e amor ao Senhor da Palavra nesta terra. Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam (1 Co 2.9)



05 de janeiro de 2017
Autor: Gabriel Francisco da Silva Bezerra

TRIM! TRIM! É HORA DE VOLTAR!





Vamos passear de bicicleta por um longo caminho cercado de arvores floridas de outono. Essa é nossa vida, um grande passeio de ida. Nesse tempo as folhas caem e nos levam a refletir sobre a brevidade da nossa viagem pela terra. Nascemos nesse mundo e hoje tudo para nós parece comum, pois nos acostumamos com o mundo que nos cerca. Na nossa base, nossa infância,  aprendemos o conceito das coisas e começamos a construir nossa visão de mundo. 

Mas existem momentos em que as coisas perdem um pouco o sentido. As cores parecem sem harmonia, a musica perde um pouco seu tom, a natureza e tudo parecem ser a sombra de um outro mundo. Lembramos de sinais perdidos, de sons e imagens que esquecemos como se fossem de um tempo muito distante. No nosso passeio de bicicleta, ouvimos os seus sinos como se fosse uma mensagem de uma terra longínqua que nos diz: -É hora de voltar!

"Mas agora desejam uma (pátria) melhor, isto é, a celestial. Pelo que também Deus não se envergonha de ser chamado seu Deus, porque já lhes tinha preparado uma cidade." Hebreus 11.16

Somos feitos da terra, mas o nosso sopro vem do céu. Quando nascemos de novo, na nossa infância espiritual, aprendemos a ver o mundo de uma forma diferente, ver no mundo o reflexo de outro, se muitas coisas perdem o sentido, muitas outras ganham um novo significado. Nascemos da água e do Espírito, e com essa essência celeste aprendemos a ter saudade da nossa verdadeira pátria. Mas nessa pátria terrena, os céus são a sombra de um outro bem melhor, e a terra é apenas a porta para uma outra, de natureza muito superior. 

Ouça os sinais, talvez de sinos que tocam: -É hora de voltar! O caminho do novo céu e da nova terra começa no nossa passeio de volta. Tudo que é desta terra, permanecerá nela. Se desfaça da dor, abandone a tristeza, dê adeus ao medo e a solidão, você tem uma pátria. Você tem a promessa de Deus. Jesus passeia com você e também te espera na chegada. Lá as folhas das arvores não caem, pois lá o tempo é eterno, estação de frutos de incansável felicidade. Volte para casa. Não deixe que a gloria do bens terrestres te faça esquecer da glória celeste. Pela fé contemple hoje seu verdadeiro lar.




02 de janeiro de 2017
Autor: G.F. da Silva

DESTRUINDO O DESTRUIDOR






"E João andava vestido de pêlos de camelo e com um cinto de couro em redor de seus lombos, e comia gafanhotos e mel silvestre" Marcos 1.6 

Já comeu um gafanhoto? Não é nada fácil comer uma coisa tão diferente quanto um inseto! Porém não vamos pensar desta forma, mas na ótica do poder e autoridade. 
Poder e autoridade no Livro de Mateus (Capítulo 10, versículo 1) é uma só palavra que indica superioridade, é o poder proveniente da autoridade, da força. Isto é, Deus nos deu o poder, a permissão para agir, e a decisão que agrada a Deus é a de agir (autoridade) segundo o poder que nos foi dado. Não há autoridade sem ação, e é a ação que comprova o poder dado. Nós cremos, segundo a operação da força do poder de Deus, o qual ressuscitou a Cristo dos mortos (Ef 1.19,20). Temos que entender a importância da vitória da cruz, onde Jesus, após ressucitar, diz: "É-me dado toda poder no céu e na terra.". (Mt 28.18; Ef 1.20,21)

Você tem essa autoridade do Senhor, porque o Senhor é a Força da nossa vida, não há o que temer.

"O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O SENHOR é a força da minha vida; de quem me recearei?" Salmos 27.1

Gafanhotos, (segundo o livro de Joel e Êxodo) significam destruição ou a força destruidora que dizima as plantações e a vida da Terra. O Capítulo 9 do Livro de Apocalipse compara a forma (parecer) de gafanhotos à seres malignos. É comum a associação de animais diversos às forças malignas, tal como no Livro de Gênesis com a serpente, e no Livro de Lucas:

"Eis que vos dou poder para pisar serpentes, e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum. Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." Lucas 10.19, 20

Então, temos esta autoridade contra toda a força do maligno. Temos a autoridade de comer gafanhotos, isto é, de destruir o destruidor. Isso porque temos uma fonte de autoridade: o poder do evangelho.

"Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é a poder (virtude eficaz) de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego." Romanos 1.16 

Deus é a Rocha da nossa Salvação (Sl 89.26), e dele emana todo o mel, isto é, todas as virtudes que eficazmente nos alimentam e nos sustentam para que possamos executar a obra libertadora de Deus.

"E eu o sustentaria com o trigo mais fino e o saciaria com o mel saído da rocha." Salmos 81.16 

Alimente-se da Palavra de Deus, e ela será a sua espada para você ser usado em qualquer deserto que seja, destruindo as fortalezas do inimigo. Você pode ser como uma "voz que clama no deserto" que está disposta ao que der e vier, nem que tenha que comer gafanhotos. O poder do Destruidor já foi destruído na Vitória de Nosso Senhor Jesus Cristo. Vencer não será difícil, basta somente estar edificado na Rocha, se alimentando do seu mel. Jesus Cristo é a nossa Rocha, o único fundamento (1 Co 3.11). Quem nele crer não será confundido (Rm 10.11). É por ele que vencemos a morte, o inferno e o pecado, e é nEle que temos a vitória.

"Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo." 1 Coríntios 15.57 



07 de Junho de 2016
Autor: G. F. da Silva

O PENTECOSTES GENTIL




"Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das Luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação." Tiago 1.17 


Deus é a fonte de todos os dons. Você já deve ter recebido um presente em uma data especial como em um aniversário, natal ou tirando a sorte grande com um generoso presente de um amigo oculto. Os presentes dos homens nos levam a refletir sobre os dons, os presentes de Deus. O melhor presente não é comprado por nenhum valor, é de graça. Não é um bolo, ou vestido, não é uma joia ou ouro mas brilha tanto quanto qualquer tesouro. Um abraço sincero, amizade companheira e o amor verdadeiro são exemplos de presentes que marcam e permanecem. São dons, dádivas que presenteiam a vida de qualquer um de nós. Use seus dons, pois são virtudes de uma excelência divina, que emanam do Pai das Luzes.

Em Betesta havia um tanque, e Jesus operou pelo poder da sua Palavra (Jo 5.7). Já em Siloé, Jesus disse ao cego para lavar-se no tanque: "Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado). Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo." (Jo 9.7) Vamos refletir sobre as formas de Deus operar em nossas vidas.

A Palavra de Deus é o Dom inefável, (indescritível para a realização de milagres; 2 Co 9.15), pois a excelente Graça que recebemos em nós, não veio de nós, é Dom de Deus (Ef 2.8). A ação da Palavra de Deus nos regenera pois somos "de novo gerados" pela Palavra da Verdade (1 Pe 1.23). A Palavra salva, cura, opera milagres e maravilhas, consola, alegra, discerne os espíritos, ressuscita mortos, liberta e até discerne pensamentos e intenções do coração (Hb 4,12). Você percebeu que todas estas obras foram operadas pelo Nosso Senhor Jesus Cristo? Leia os quatro evangelhos e você encontrará estes e vários aspectos nos quais a Palavra manifesta as suas ações. Jesus Cristo, a Palavra de Deus (Ap 19.13), disse para o povo que, já que não acreditavam nas suas palavras, cressem nas suas obras (Jo 10.38). Dom é o presente de Deus para que possamos desempenhar a sua obra. E "a obra de Deus é esta: que creias naquele que Ele enviou" (Jo 6.29). Temos a missão de pregarmos este Evangelho, pois ele é poder de Deus e salvação para todo aquele que crer. O Evangelho é poder de Deus, e este Poder opera, pois é virtude eficaz para operar todo tipo de maravilhas. Como manifestar este poder na pregação do Evangelho? Jesus nos ensinou a ter uma vida de consagração.

"Aquele, pois, que vos dá o Espírito e que obra (opera) maravilhas entre vós fá-lo pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Gálatas 3.5 


O Espírito Santo é o Dom, presente de Deus para nós


"E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre, o Espírito de Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós." João 14.16, 17

Jesus respondeu e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus e quem é o que te diz: "Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva." (João 4.10)

O Espírito Santo é o Dom de Deus, a fonte de água que habita conosco e está em nós, a qual jorra para a vida eterna (Jo 4.14). O Espírito opera o processo de regeneração, na qual o homem nasce de novo, ("da água e do Espírito", Jo 3.5) como uma nova criatura em Cristo Jesus. (2 Co 5.17)

"(...) não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas, segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo" Tito 3.5 

O Espírito Santo é o Dom de Deus. Para recebe-lo precisa haver arrependimento. Quem recebe o Espírito de Deus, recebe a Sua Palavra pregada, pois a Palavra e o Espírito operam de forma única (Ef 6.17). 


Receber o Espírito Santo


Os discípulos de Jesus receberam o Espírito Santo, selando a sua união a Cristo (Ef 1.13)

"Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; Assim como o pai me enviou, também eu vos envio a vós. E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo." João 20.21,22

Com isso começaram a entender as escrituras (Lc 24.45), mas faltava algo. Foi por essa razão que Jesus Cristo, alguns dias depois da sua ressurreição disse: "ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder", "vós sereis batizados com o Espírito Santo" (Lucas 24.49; At 1.5). Foi após a glorificação de Jesus Cristo (João 7.39), no dia de Pentecostes, que se cumpriu esta palavra, ao serem batizados ("cheios") pelo Espírito Santo. 

Leia atentamente este texto abaixo e reflita:

O exemplo mais claro que mostra o significado de "baptizo" é um texto do poeta grego e médico Nicandro, que viveu cerca de 200 aC É uma receita para fazer picles e é útil porque ele usa as duas palavras. Nicandro diz que, a fim de fazer uma picles, o vegetal deve primeiro ser "mergulhado" ("bapto") em água fervente e, em seguida, 'batizados' ("baptizo") na solução de vinagre. Ambos os verbos preocupam-se com a imersão de legumes em uma solução. Mas o primeiro é temporário. O segundo, o ato de batizar os vegetais, produz uma mudança permanente. Quando usado no Novo Testamento, esta palavra mais frequentemente refere-se a nossa união e identificação com Cristo do que o nosso batismo em água. Por exemplo. Mr 16:16. "Aquele que crer e for batizado será salvo". Cristo está dizendo que a mera aceitação intelectual não é suficiente. Deve haver uma união com ele, uma mudança real, como os vegetais ao picles! (Bíblia Revista de Estudos, James Montgomery Boice, maio de 1989).

Ser cheio do Espírito Santo é ser batizado com o Espírito Santo. Batismo significa mergulhar, estar totalmente molhado, lavado. Só com este batismo eles começaram a manifestar os sinais e maravilhas, assim como Pedro e os outros apóstolos, que pregaram e houve grande conversão e diversos milagres.

O Espírito Santo pode estar em você, mas nem todos que receberam o Espírito Santo estão cheios dEle, mas todo aquele que é cheio do Espírito Santo é porque evidentemente O recebeu. 


O Batismo e os dons do Espírito Santo


A Bíblia relata no livro de Atos: "todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas" diante de judeus de todas as nações e estrangeiros (At 2.4, 9-11; 1 Coríntios 14.22b). Devemos crer neste acontecimento pois falar em outras línguas é um sinal do "ser cheio" do Espírito Santo. Mas não é só isso. 

"E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem." Atos 2.4 

Porém, posterior a pregação de Pedro, em Atos 2.38-47, não relata sobre o falar em línguas. Não há qualquer referencia ao dom de línguas desta passagem em diante, apenas diz que deveriam os ouvintes ser batizados em nome de Jesus Cristo para perdão de pecados, e acrescenta a promessa: "recebereis o dom do Espírito Santo". Desta forma, foram batizados, "quase três mil almas". 

"E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. (...) Assim que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e, naquele dia, agregaram-se quase três mil almas." Atos 2.38, 41

O texto fala em batismo em nome do Senhor Jesus Cristo e depois acrescenta ("e") que estes batizados receberiam o dom do Espírito Santo. No início da igreja cristã era comum o batismo em águas, posterior e de forma imediata a conversão (At 8.13; At 8.36; At 16.33; Atos 19.5). O batismo em nome do Senhor Jesus Cristo é uma alusão ao batismo em águas. Porque? A expressão usada no texto ("batizado em nome de Jesus Cristo") é praticamente a mesma em Atos 8.16

O batismo em nome do Senhor Jesus a qual os versículos se referem (At 2.38; At 8.16) significa batismo em águas, e receber o Espírito Santo (At 2.38; At 8.17) é o batismo com Espírito Santo. Leia novamente At 8.14-17 e perceba a diferença clara no texto.

Essas "quase três mil pessoas" foram batizados nas águas e batizadas com o Espírito Santo, sem dúvida alguma, mas não manifestaram o dom de "falar em outras línguas" como no dia de Pentecostes. Manifestaram o fruto de uma verdadeira regeneração: "perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações (...) E todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum. (...) E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração" (At 2.42,44, 46). 

Ser cheio do Espírito não é só manifestar um dom, é manifestar perseverança, comunhão, companheirismo, vida de oração, obediência, fé, alegria, e simplicidade de coração. Os irmãos reunidos no dia de Pentecostes, cheios do Espírito, e com o dom de falar em outras línguas, manifestaram intrepidez, como Pedro, ao pregar o evangelho pelo mundo. Os "quase três mil convertidos" também manifestaram "o ser cheio" através do seu testemunho. Você pode ser cheio do Espírito e falar em outras línguas, mas também pode ser cheio através da sua comunhão intima com Deus e com seus irmãos.

O "pentencostes" gentil

Ser cheio do Espírito Santo ou o batismo com Espírito Santo não é sinônimo de falar em outras línguas somente. Observe abaixo as expressões em negrito.

"E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse também sobre os gentios. Porque os ouviam falar em línguas e magnificar a Deus." (Atos 10.45, 46)

"E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas e profetizavam." Atos 19.6 

Este relato acima é tirado do trecho do livro de Atos do "pentecostes" dos gentios. Enquanto que no dia de Pentecostes, com o batismo com Espírito Santo dos judeus, houve a manifestação de um dom, no "pentecostes" gentil, foram dois: eles falavam em línguas e profetizavam. Magnificar significa "declarar grande", "estimar altamente, para exaltar , elogiar", alusão ao espírito de profecia. Em Atos capítulo 10, ao serem batizados com Espírito Santo os discípulos, além de falarem línguas eles louvavam (magnificavam) a Deus. Ser Cheio do Espírito Santo também é derramar o seu ser em louvor diante de Deus. A profecia também é manifesta ao vir sobre nós o Espírito Santo (At 19.6). Para mim não restam dúvidas sobre isso, tanto pelo que leio na Palavra, quanto pelo testemunho dos nossos dias. 

Vemos, à luz destas passagens, que ser cheio do Espírito Santo ou o batismo com Espírito Santo, vem acompanhado com a manifestação dos dons espirituais e não apenas de um só dom. O dom de falar em outras línguas não é o sinal do batismo com Espírito Santo, mas é um dos sinais. Desafio você a refletir sobre isso. É só uma questão de crer naquilo que está escrito. É só uma questão de viver o que está escrito.

Somos cheios do Espírito Santo? Eis outro sinal: Quem é cheio do Espírito permanece em Jesus e guarda (ou obedece) a sua Palavra e tem bom testemunho (1 Tm 3.7). Caso contrário, como dar crédito as palavras de um obreiro? Ouçamos as palavras e observemos as obras (Jo 10.38). O Espírito Santo não tem parte com a iniquidade mas sim com a santidade (At 8.19-23).

"E aquele que guarda os seus mandamentos nele permanece, e ele nele. E nisto sabemos que ele permanece em nós: pelo Espírito que nos tem dado." 1 João 3.24 



13 de Maio de 2016
Autor: G.F. da Silva

Obs.: Fragmentamos o entendimento de Deus, porém Deus é um só. 
(Ef 4.6; 1 Tm 2.5; Tg 2.19; Rm 3.30; 1 Co 8.6; Gl 3.20)

ANJOS E DEMÔNIOS






Será que a Bíblia fundamenta a materialização de anjos de Deus e demônios? Vamos ver apenas 5 exemplos do lado da luz:

  1. Vamos começar pelo livro de Êxodo 3:2, 6, o anjo do Senhor (teofania), aparece de forma visível a Moisés no meio de uma sarça ardente;
  2. Em Números 22.23, a jumenta viu o anjo do Senhor e posteriormente Balaão (Nm 22.31) também o viu com sua espada desembainhada;
  3. Em Juízes 6.11, o anjo de Deus assentou-se sobre o carvalho de Ofra e falou com Gideão. E o anjo do SENHOR estendeu a ponta do cajado, que estava na sua mão, e tocou a carne e os bolos asmos (que eram oferta de Gideão): então subiu fogo da penha, e consumiu a carne e os bolos asmos; e o anjo do SENHOR desapareceu de seus olhos. (Juízes 6:21);
  4. Em 1 Rs 19.5,7 um anjo tocou a Elias duas vezes e pediu para que ele se levantasse e comesse;
  5. Em 2 Reis 19:35 o anjo do SENHOR saiu e feriu no arraial dos assírios a cento e oitenta e cinco mil soldados.
Agora vamos tratar de materialização de demônios, acompanhe mais 5 exemplos:

  1. Em Gênesis 3.1-5, a serpente (Satanás) fala com a mulher e oferece o fruto da árvore do bem e do mal;
  2. Em 2 Co 11.14 diz que Satanás tem o poder de se transfigurar em anjo de luz para o engano das pessoas;
  3. Em 2 Co 12.7 Paulo diz que foi enviado a ele um anjo de Santanás para o esbofetear, a fim de que ele não se exaltasse;
  4. Em 2 Ts 2.8,9 diz que a vinda do anticristo (o iníquo) é segundo a eficácia de Satanás, com toda a potencia, e sinais, e prodígios de mentira;
  5. Em Apocalipse 11.7, diz que a besta subiu do abismo e fez guerra contra as duas testemunhas e as matará. Ela será adorada pelos habitantes da terra (Ap 13.4)

Esses são apenas alguns exemplos do que a Bíblia aborda sobre o assunto. Será que anjos e demônios só se materializaram nos tempos bíblicos e hoje seria impossível isso ocorrer? É muito improvável. A materialização ou encarnação do anticristo ou besta é uma realidade futura que acontecerá brevemente. Basta a nós estarmos alertas e fazermos a comprovação, segundo o que nos orienta a Bíblia:


“Nisto conhecereis ao espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em a carne, é de Deus e todo espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em a carne, não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual espírito já tendes ouvido que há de vir, e já agora está no mundo.” 1 João 4.2,3




16 de dezembro de 2016
Autor: G.F. da Silva

AS DOZE PEDRAS DA NOVA JERUSALÉM




Apocalipse 21:18 E a construção de seu muro era de jaspe, mas a cidade era de ouro puro, semelhante a vidro puríssimo. (ou, cristalino.)

Jaspe: Perfeição. Ouro: Bondade (Gn 2.12). Vidro: transparência, pureza.

Apocalipse 21:19 E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados com toda a pedra preciosa. O primeiro fundamento era jaspe: o segundo, safira: o terceiro, calcedônia: o quarto, esmeralda

Jaspe: Perfeição


Procedente de uma raiz não utilizada significando polir (yash epheh) Lexical: קָלָל- Transliteração: qalal; Adjetivo- Ortografia fonética: kaw-lawl '- Definição: polido.- Origem: De qalal; iluminado.

6. Porque Deus, que disse: Das trevas brilhará a luz, é quem brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo.
(2 Coríntios, 4)
16. Mas, naquela medida de perfeição a que já chegamos, nela prossigamos.
(Filipenses, 3)
14. E, sobre tudo isto, revestí-vos do amor, que é o vínculo da perfeição.
(Colossenses, 3)
12. tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo;
13. até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem feito, à medida da estatura da plenitude de Cristo;
(Efésios, 4)

 Safira: Pureza, Formosura, Reino, Palavra.


10. e viram o Deus de Israel, e debaixo de seus pés havia como que uma calçada de pedra de safira, que parecia com o próprio céu na sua pureza.
(Êxodo, 24)
7. Os seus nobres eram mais alvos do que a neve, mais brancos do que o leite, eram mais ruivos de corpo do que o coral, e a sua formosura era como a de safira.
(Lamentações, 4)
26. E sobre o firmamento, que estava por cima das suas cabeças, havia uma semelhança de trono, como a aparência duma safira; e sobre a semelhança do trono havia como que a semelhança dum homem, no alto, sobre ele.
(Ezequiel, 1)


Safira é "sappiyr" de "safar", contar, relatar; livro é "sefer", escritor é "sofer". "Tinteiro de escrivão" é "keset ha-sofer" (Ez 9.2). "Sefirá" significa originalmente número e contagem.

Calcedônia: Sustentação, Firmeza, Instrumentalização, Proteção (escudo).

De fenícia 𐤒𐤀𐤓𐤕𐤇𐤀𐤃𐤀𐤔𐤕 ( Qart-ḥadašt , “ Cidade Nova ” ). Provavelmente também influenciado por χαλκός ( khalkós , “ bronze ”).

Esmeralda: Brilho, Iluminação.

Hebraico: bareket בָּרֶקֶת ágata
בָּרַק (verbo)
Fem./Plural: Transliteração: baraq, Tradução: brilhar, 
resplandecer, lampejar, cintilar

6. Porque Deus, que disse: Das trevas brilhará a luz, é quem brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo.
(2 Coríntios, 4)
*************************************************************

Apocalipse 21:20 o quinto, sardônica: o sexto, sárdio: o sétimo, crisólito: o oitavo, berilo: o nono, topázio: o décimo, crisópraso: o undécimo, jacinto: o duodécimo, ametista.

Sardônica: Dureza, Resistência.

יַהֲלוֹם (masculino)
Fem./Plural: יַהֲלוֹמִים Transliteração: yahalom Tradução: diamante

12. Sim, fizeram duro como diamante o seu coração, para não ouvirem a lei, nem as palavras que o Senhor dos exércitos enviara pelo seu Espírito mediante os profetas antigos; por isso veio a grande ira do Senhor dos exércitos.
(Zacarías, 7)

Sárdio: Sacrifício.

Lexical: אֹ֫דֶם- Transliteração: odem- Parte do discurso: substantivo feminino- Ortografia fonética: o'-dem- Definição: rubi.- Origem: De 'adam; vermelhidão, ou seja O rubi, granada ou alguma outra gema vermelha.- uso: sardius.
A palavra אָדָם (pronunciada: Adam) está conectada com duas outras palavras em hebraico: דַּם (dam) "sangue" e אֲדָמָה (adamá) "terra/solo". Estas palavras nos mostram que o significado básico de Adam (Adão em hebraico) está associado com o "sangue" e a "terra".

4. E saiu outro cavalo, um cavalo vermelho; e ao que estava montado nele foi dado que tirasse a paz da terra, de modo que os homens se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada.
(Apocalipse, 6)


Crisólito: Plenitude.

Lexical: crisólito- Transliteração: chrusolithos- Parte do discurso: substantivo, masculino- Ortografia fonética: khroo-sol'-ee-thos- Definição: um topázio e uma gema com uma cor amarela brilhante.- Origem: De chrusos e lithos; pedra de ouro, ou seja Uma gema amarela ("crisolita").- Uso: crisólito.
Tarshish (társis), plenitude.

Berilo: Poder, Vida, Movimento.

Lexical: berilo- Transliteração: bérullos- Parte do discurso: substantivo, masculino- Ortografia fonética: bay'-rool-los- Definição: um berilo e uma pedra preciosa de várias cores, sendo as mais conhecidas o verde-mar.- Origem: De derivação incerta; e "berilo". Pedra do Poder.

Ezequiel 1:21 Andando eles, andavam elas, e, parando eles, paravam elas e, elevando-se eles da terra, elevavam-se também as rodas [de berilo] defronte deles porque o espírito dos animais estava nas rodas.

Topázio: Busca, Procura.
.
O nome "topázio" é derivado do grego topazos ("buscar"), que era o nome de uma ilha no Mar Vermelho difícil de encontrar e da qual uma pedra amarela (atualmente acredita-se que fosse uma olivina amarelada) era minerada em tempos antigos.

Crisópraso: Vida Eterna

Do grego khrysóprasos, de khrysós, «ouro» +práson, «alho-porro», por causa da sua cor verde.

25. Sua carne se reverdecerá mais do que na sua infância; e ele tornará aos dias da sua juventude.
(Jó, 33)

Lexical: נֹ֫פֶך- Transliteração: nophek- Parte do discurso: substantivo masculino- Ortografia fonética: no-fek- Definição: turquesa.- Origem: De uma raiz não usada que significa brilhar; brilhando; e gema, provavelmente a granada.

Jacinto: Julgamento.

Tem origem no grego Hyákinthos, a partir do latim Hyacinthu, que quer dizer literalmente “ai de mim!”.

17. E assim vi os cavalos nesta visão: os que sobre eles estavam montados tinham couraças de fogo, e de jacinto, e de enxofre; e as cabeças dos cavalos eram como cabeças de leões; e de suas bocas saíam fogo, fumaça e enxofre.
(Apocalipse, 9)
18. Por estas três pragas foi morta a terça parte dos homens, isto é, pelo fogo, pela fumaça e pelo enxofre, que saíam das suas bocas.
(Apocalipse, 9)

Ametista: Sonho, Saúde, Fortaleza.

Uma pedra do sonho; חלם,
חלם chalam uma raiz primitiva; 
1) sonhar 1b) (Hifil) sonhar 2) ser saudável, ser forte 2a) (Qal) ser saudável


*****************************************
Referencias

Brit Hadashá- Biblia Judaica Cristã
Nova Concordância Strong

Autor: Gabriel Francisco da Silva Bezerra


31 de julho de 2018

CERIMONIAL DE SANTA CEIA





[INTRODUÇÃO]

1.Oração Inicial de Abertura
2.Palavra sobre a Santa Ceia

[DESENVOLVIMENTO]

3.Leitura Bíblica (Parte I)

[O PÃO]
"Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, e, e havendo dado graças, o partiu, e o deu aos discípulos, e disseTomaicomeiisto é o meu corpo."(Mt 26.26) “(...) que por vós é dado e partido” (1 Co 11:24); fazei isto em memória de mim.” (Lc 22:19)
[PÃO E VINHO]
Porquetodas as vezes que comerdes este pão e beberdes este copoanunciais a morte do Senhoraté que venha(Co 11:26)
[EXORTAÇÕES FINAIS]
"Portantoqualquer que comer este pão ou beber o copo do Senhorindignamenteserá culpado do corpo e do sangue do Senhor." (Co 11:27) 
"Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão, e beba deste copo." (Co 11:28)
"Porque o que come e bebe indignamentecome e bebe para sua própria condenaçãonão discernindo o corpo do Senhor." (Co 11:29)

4.Oração de Ação de Graças e Consagração do Pão
5.Hino de Celebração (PÃO)
6.Partir do Pão e Ação de graças
7.Distribuição do Pão
8.Comer do Pão

9.Leitura Bíblica (Parte II)
[O VINHO]
"E, tomando o copo e dando graçasdeu-lhodizendoBebei dele todos." (Mt 26.27) "Tomai-o e reparti-o entre vós." (Lc 22:17) 
"Porque isto é o meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados." (Mt 26.28) 
"E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide até àquele dia em que o beba de novo convosco no Reino de meu pai." (Mt 26.29) 
fazei istotodas as vezes que beberdesem memória de mim.” (Co 11:25)
PÃO E VINHO
Porquetodas as vezes que comerdes este pão e beberdes este copoanunciais a morte do Senhoraté que venha(Co 11:26) 

10.Oração de Ação de Graças e de Consagração do Cálice
11.Hino de Celebração (VINHO)
12.Preparação do cálice e Ação de graças
13.Distribuição do cálice
14.Beber do Vinho

[ENCERRAMENTO]

15.Hino de Celebração (PÃO E VINHO)
16.Oração de Ação de Graças pela Santa Ceia




Autor: Gabriel Francisco da Silva Bezerra
27 de Agosto de 2018.