Os tigres da lei






Eu tenho a caneta
Vou escrever a história mais perfeita
Que alguém já leu...

Mas quem não sabe ler vai ouvir
Mas quem não sabe ouvir vai sentir
Mas quem não sente, na sua escuridão eu digo:
Eu nasci de Deus
Eu sou A Luz
Eu nasci em belém
Eu nasci da humanidade
Eu nasci da humildade
Eu sou O Caminho e A Verdade

Eu sou a caneta
Eu sou a carta
Eu sou o livro
Eu sou quem sou

Eu sou campeão
Eu sou Bi
Eu sou a Bíblia
Eu sou o Leão da grei
Que ruge entre os leões
Que ruge entre os tigres da lei

Eu sou o oculto
Que ouve a canção do seu coração
Eu sou a interpretação
E a reinterpretação
Eu sou a vontade, a força e a ação

Me espere e pense
Eu sou o grão indivisível do centro das areias de todos os céus!
Nele, eu escrevo em tinta preta
E num abrir e fechar de olhos
Quando a luz se abre e a escuridão se fecha
Quando o amor se abre e o ódio se fecha
Quando a sinceridade se abre e a falsidade se fecha
Quando a verdade se abre e a mentira se fecha...

Em tinta ouro se reescreve agora:
-Ouço um grande estrondo de um raio só!-
Em cima da fechadura da porta da alma
Já era!

Abre-se a alma:
-Eu sou a ressurreição e a vida
Quem crê em mim ainda que esteja morto, viverá.

Eu sou campeão
Eu sou Bi
Eu sou a Bíblia
Eu sou o Leão da grei
Que ruge entre os leões

Que ruge entre os tigres da lei


Autor: Gabriel Francisco da Silva Bezerra
10 de dezembro de 2017