E AGORA JEREMIAS?




A questão inicial não é estar certo ou errado. Errar? Todo mundo erra, isso você sabe, não é mesmo? A seguinte expressão já virou ditado popular “quem não tem pecado que atire a primeira pedra” (Jo 8.7) A palavra de Deus diz:

“Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.” 1 João 1.8

Mas no caso de acusações? Já que se trata de acusadores e acusados, vamos primeiro “ouvir” os acusadores. Há dois tipos de acusadores: o natural e o sobrenatural. O natural é o homem, e falando deste, definimos quem primeiramente ele é: você. Isso mesmo, você é o seu primeiro acusador natural. Todos nós temos uma consciência, e ela é como uma lei própria da nossa mente. Vejamos o que a palavra de Deus fala sobre isso:

“Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei, os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os” Rm 2.14,15

A consciência e os pensamentos são testificadores da nossa alma. Eles nos defendem, mas também nos acusam. Eles fazem isso porque em nosso coração há uma lei naturalmente escrita por Deus, a qual nos orienta sobre o que é certo ou errado. Tal lei será desvelada no dia do juízo, “quando deus julgar os segredos dos homens” (Rm 2.16). 

Também está escrito: 

“Que se nosso coração nos condena, maior é Deus do que nosso coração, e conhece todas as coisas. Caríssimos, se o nosso coração nos não condena, temos para com Deus.” 1 João 3.20,21

Isso é uma grande alívio para nós! Nem sempre o coração está certo. Lembre-se que “enganoso é o coração mais do que todas as coisas” (Jr 17.9). Diante das acusações da consciência, chame por seu Advogado. Ele tem nome, e tem legitimidade de exercer seu ofício, pois Ele foi aprovado mediante sacrifício de sangue, e o seu sangue nos purifica de todo pecado (1 Jo 1.7). Não se esqueça, diante das acusações diga: “Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1)

Vamos a outro tipo de acusador natural: o seu próximo. Falando desses, definimos quem especificamente são: conhecidos, vizinhos, amigos e parentes próximos. Aliás, acho que os nossos “inimigos” naturais, não estão longe, mas são os que estão bem perto, os da sua própria casa, tal como aconteceu na vida do profeta Jeremias (Jr 12.6; Mt 10.34). Mas não se engane, eles não são os seus verdadeiros inimigos. Seu verdadeiro inimigo é Satanás. Defino ele como o segundo tipo de acusador ou inimigo, o verdadeiro acusador. Seu nome significa “ser hostil” “adversário” ou “opositor”, “acusador”. E quando esse ser sobrenatural e maligno te acusa com suas mentiras, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira (Jo 8.44). Porém, se Satanás nos acusar com a realidade dos fatos, lançando sobre nós nossos erros? Faça isso: confesse seus erros antes de chamar pelo Advogado. O Advogado não pode fazer muito por você se você não se arrepender dos seus pecados e confessar a Ele as suas culpas.

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos limpar de toda maldade.” (1 João 1.9)

Agora sim! Se o acusador lançar suas culpas sobre você, há um que carregou todas elas: Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si, o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. (Is 53 4,5)

Então, já sabemos que devemos lutar contra os acusadores. Sobre acusados, não precisamos mais escrever, porém a estes, entre os quais me incluo, considero: temos um justificador, Jesus Cristo, e que nossa luta não é contra o homem. Repito: nossa luta não é contra nossos amigos e muito menos contra nossos inimigos humanos. Não lute contra eles. Lute contra Satanás e seus demônios.

"porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais." (Efésios 6.12)

Se muitos são seus amigos e irmãos, graças a Deus por isso. Se outros se fazem seus inimigos, não pague na mesma moeda. “Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem, para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons e a chuva desça sobre justos e injustos. (Mt 5 44, 45) 

Responda você, isso é fácil? Esse é nosso desafio diário. 

6 de Maio de 2016
Autor: G.F. da Silva