OLHOS DE LUZ




"E a sua cabeça e seus cabelos eram brancos como lã branca, e como a neve, e os seus olhos, como chama de fogo" Apocalipse 1.14 

Como é o corpo do justo? É um corpo espiritual (1 Co 15.44). E este corpo espiritual possui a glória do novo homem nascido em Cristo (Ef 2.15;4.24). O corpo espiritual do novo homem deve crescer a estatura do corpo incorruptível, o corpo imortal. Tudo está baseado na construção, o que você constrói aqui, constrói além. Nós, com corpo natural, somos transformados de glória em glória (2 Co 3.18). O corpo espiritual é o objetivo dessa transformação (Fp 3.21). Os olhos do corpo são a candeia (ou lâmpada) do corpo (Mt 6.22), isto é, iluminam o corpo, logo se há candeia, há fogo. Os olhos do corpo espiritual também são como chamas de fogo (Ap 1.14). Ora o fogo é luz que produz calor, assim, a maneira que você vê as coisas podem iluminar e aquecer a vida de alguém.

Os olhos representam a alma do homem, ora o corpo é um reflexo da alma. Se os teus olhos forem bons todo o seu corpo será luminoso (Mt 6.22). Os olhos representam também a compreensão, o entendimento (Ef 1.18). Ter olhos de luz é ter o entendimento e a prática da palavra de Deus na vida cristã, isso produz luz (poder e sabedoria) que provém também da habitação do Espírito Santo. Os olhos de luz mostram que você foi provado pelo fogo e tem convicção de fé nAquele em quem você creu (2 Tm 3.16). Quem tem olhos assim, tem poder e autoridade, pois o próprio Cristo habita neste e arde em sua alma incessantemente, e este diz: "Cristo vive em mim" Gl 2.20.

Você não pode ver naturalmente a luz de Cristo na vida de um homem, mas se esse for um verdadeiro cristão com certeza a Luz estará nele, luz viva, reconhecida até por desconhecidos. Gostaria de ter olhos de luz? Seja um discípulo fervoroso do que Jesus fez e ensinou. Levante a cabeça, você verá claramente o caminho, que ninguém se assombre ao redor, pois nos seus olhos há a luz e o calor de um Espírito que ninguém apagará.



06 de dezembro de 2016, modificado em 26/07/2018
Autor: G.F. da Silva