O PENTECOSTES GENTIL




"Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das Luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação." Tiago 1.17 


Deus é a fonte de todos os dons. Você já deve ter recebido um presente em uma data especial como em um aniversário, natal ou tirando a sorte grande com um generoso presente de um amigo oculto. Os presentes dos homens nos levam a refletir sobre os dons, os presentes de Deus. O melhor presente não é comprado por nenhum valor, é de graça. Não é um bolo, ou vestido, não é uma joia ou ouro mas brilha tanto quanto qualquer tesouro. Um abraço sincero, amizade companheira e o amor verdadeiro são exemplos de presentes que marcam e permanecem. São dons, dádivas que presenteiam a vida de qualquer um de nós. Use seus dons, pois são virtudes de uma excelência divina, que emanam do Pai das Luzes.

Em Betesta havia um tanque, e Jesus operou pelo poder da sua Palavra (Jo 5.7). Já em Siloé, Jesus disse ao cego para lavar-se no tanque: "Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado). Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo." (Jo 9.7) Vamos refletir sobre as formas de Deus operar em nossas vidas.

A Palavra de Deus é o Dom inefável, (indescritível para a realização de milagres; 2 Co 9.15), pois a excelente Graça que recebemos em nós, não veio de nós, é Dom de Deus (Ef 2.8). A ação da Palavra de Deus nos regenera pois somos "de novo gerados" pela Palavra da Verdade (1 Pe 1.23). A Palavra salva, cura, opera milagres e maravilhas, consola, alegra, discerne os espíritos, ressuscita mortos, liberta e até discerne pensamentos e intenções do coração (Hb 4,12). Você percebeu que todas estas obras foram operadas pelo Nosso Senhor Jesus Cristo? Leia os quatro evangelhos e você encontrará estes e vários aspectos nos quais a Palavra manifesta as suas ações. Jesus Cristo, a Palavra de Deus (Ap 19.13), disse para o povo que, já que não acreditavam nas suas palavras, cressem nas suas obras (Jo 10.38). Dom é o presente de Deus para que possamos desempenhar a sua obra. E "a obra de Deus é esta: que creias naquele que Ele enviou" (Jo 6.29). Temos a missão de pregarmos este Evangelho, pois ele é poder de Deus e salvação para todo aquele que crer. O Evangelho é poder de Deus, e este Poder opera, pois é virtude eficaz para operar todo tipo de maravilhas. Como manifestar este poder na pregação do Evangelho? Jesus nos ensinou a ter uma vida de consagração.

"Aquele, pois, que vos dá o Espírito e que obra (opera) maravilhas entre vós fá-lo pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Gálatas 3.5 


O Espírito Santo é o Dom, presente de Deus para nós


"E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre, o Espírito de Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós." João 14.16, 17

Jesus respondeu e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus e quem é o que te diz: "Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva." (João 4.10)

O Espírito Santo é o Dom de Deus, a fonte de água que habita conosco e está em nós, a qual jorra para a vida eterna (Jo 4.14). O Espírito opera o processo de regeneração, na qual o homem nasce de novo, ("da água e do Espírito", Jo 3.5) como uma nova criatura em Cristo Jesus. (2 Co 5.17)

"(...) não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas, segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo" Tito 3.5 

O Espírito Santo é o Dom de Deus. Para recebe-lo precisa haver arrependimento. Quem recebe o Espírito de Deus, recebe a Sua Palavra pregada, pois a Palavra e o Espírito operam de forma única (Ef 6.17). 


Receber o Espírito Santo


Os discípulos de Jesus receberam o Espírito Santo, selando a sua união a Cristo (Ef 1.13)

"Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; Assim como o pai me enviou, também eu vos envio a vós. E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo." João 20.21,22

Com isso começaram a entender as escrituras (Lc 24.45), mas faltava algo. Foi por essa razão que Jesus Cristo, alguns dias depois da sua ressurreição disse: "ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder", "vós sereis batizados com o Espírito Santo" (Lucas 24.49; At 1.5). Foi após a glorificação de Jesus Cristo (João 7.39), no dia de Pentecostes, que se cumpriu esta palavra, ao serem batizados ("cheios") pelo Espírito Santo. 

Leia atentamente este texto abaixo e reflita:

O exemplo mais claro que mostra o significado de "baptizo" é um texto do poeta grego e médico Nicandro, que viveu cerca de 200 aC É uma receita para fazer picles e é útil porque ele usa as duas palavras. Nicandro diz que, a fim de fazer uma picles, o vegetal deve primeiro ser "mergulhado" ("bapto") em água fervente e, em seguida, 'batizados' ("baptizo") na solução de vinagre. Ambos os verbos preocupam-se com a imersão de legumes em uma solução. Mas o primeiro é temporário. O segundo, o ato de batizar os vegetais, produz uma mudança permanente. Quando usado no Novo Testamento, esta palavra mais frequentemente refere-se a nossa união e identificação com Cristo do que o nosso batismo em água. Por exemplo. Mr 16:16. "Aquele que crer e for batizado será salvo". Cristo está dizendo que a mera aceitação intelectual não é suficiente. Deve haver uma união com ele, uma mudança real, como os vegetais ao picles! (Bíblia Revista de Estudos, James Montgomery Boice, maio de 1989).

Ser cheio do Espírito Santo é ser batizado com o Espírito Santo. Batismo significa mergulhar, estar totalmente molhado, lavado. Só com este batismo eles começaram a manifestar os sinais e maravilhas, assim como Pedro e os outros apóstolos, que pregaram e houve grande conversão e diversos milagres.

O Espírito Santo pode estar em você, mas nem todos que receberam o Espírito Santo estão cheios dEle, mas todo aquele que é cheio do Espírito Santo é porque evidentemente O recebeu. 


O Batismo e os dons do Espírito Santo


A Bíblia relata no livro de Atos: "todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas" diante de judeus de todas as nações e estrangeiros (At 2.4, 9-11; 1 Coríntios 14.22b). Devemos crer neste acontecimento pois falar em outras línguas é um sinal do "ser cheio" do Espírito Santo. Mas não é só isso. 

"E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem." Atos 2.4 

Porém, posterior a pregação de Pedro, em Atos 2.38-47, não relata sobre o falar em línguas. Não há qualquer referencia ao dom de línguas desta passagem em diante, apenas diz que deveriam os ouvintes ser batizados em nome de Jesus Cristo para perdão de pecados, e acrescenta a promessa: "recebereis o dom do Espírito Santo". Desta forma, foram batizados, "quase três mil almas". 

"E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. (...) Assim que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e, naquele dia, agregaram-se quase três mil almas." Atos 2.38, 41

O texto fala em batismo em nome do Senhor Jesus Cristo e depois acrescenta ("e") que estes batizados receberiam o dom do Espírito Santo. No início da igreja cristã era comum o batismo em águas, posterior e de forma imediata a conversão (At 8.13; At 8.36; At 16.33; Atos 19.5). O batismo em nome do Senhor Jesus Cristo é uma alusão ao batismo em águas. Porque? A expressão usada no texto ("batizado em nome de Jesus Cristo") é praticamente a mesma em Atos 8.16

O batismo em nome do Senhor Jesus a qual os versículos se referem (At 2.38; At 8.16) significa batismo em águas, e receber o Espírito Santo (At 2.38; At 8.17) é o batismo com Espírito Santo. Leia novamente At 8.14-17 e perceba a diferença clara no texto.

Essas "quase três mil pessoas" foram batizados nas águas e batizadas com o Espírito Santo, sem dúvida alguma, mas não manifestaram o dom de "falar em outras línguas" como no dia de Pentecostes. Manifestaram o fruto de uma verdadeira regeneração: "perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações (...) E todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum. (...) E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração" (At 2.42,44, 46). 

Ser cheio do Espírito não é só manifestar um dom, é manifestar perseverança, comunhão, companheirismo, vida de oração, obediência, fé, alegria, e simplicidade de coração. Os irmãos reunidos no dia de Pentecostes, cheios do Espírito, e com o dom de falar em outras línguas, manifestaram intrepidez, como Pedro, ao pregar o evangelho pelo mundo. Os "quase três mil convertidos" também manifestaram "o ser cheio" através do seu testemunho. Você pode ser cheio do Espírito e falar em outras línguas, mas também pode ser cheio através da sua comunhão intima com Deus e com seus irmãos.

O "pentencostes" gentil

Ser cheio do Espírito Santo ou o batismo com Espírito Santo não é sinônimo de falar em outras línguas somente. Observe abaixo as expressões em negrito.

"E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse também sobre os gentios. Porque os ouviam falar em línguas e magnificar a Deus." (Atos 10.45, 46)

"E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas e profetizavam." Atos 19.6 

Este relato acima é tirado do trecho do livro de Atos do "pentecostes" dos gentios. Enquanto que no dia de Pentecostes, com o batismo com Espírito Santo dos judeus, houve a manifestação de um dom, no "pentecostes" gentil, foram dois: eles falavam em línguas e profetizavam. Magnificar significa "declarar grande", "estimar altamente, para exaltar , elogiar", alusão ao espírito de profecia. Em Atos capítulo 10, ao serem batizados com Espírito Santo os discípulos, além de falarem línguas eles louvavam (magnificavam) a Deus. Ser Cheio do Espírito Santo também é derramar o seu ser em louvor diante de Deus. A profecia também é manifesta ao vir sobre nós o Espírito Santo (At 19.6). Para mim não restam dúvidas sobre isso, tanto pelo que leio na Palavra, quanto pelo testemunho dos nossos dias. 

Vemos, à luz destas passagens, que ser cheio do Espírito Santo ou o batismo com Espírito Santo, vem acompanhado com a manifestação dos dons espirituais e não apenas de um só dom. O dom de falar em outras línguas não é o sinal do batismo com Espírito Santo, mas é um dos sinais. Desafio você a refletir sobre isso. É só uma questão de crer naquilo que está escrito. É só uma questão de viver o que está escrito.

Somos cheios do Espírito Santo? Eis outro sinal: Quem é cheio do Espírito permanece em Jesus e guarda (ou obedece) a sua Palavra e tem bom testemunho (1 Tm 3.7). Caso contrário, como dar crédito as palavras de um obreiro? Ouçamos as palavras e observemos as obras (Jo 10.38). O Espírito Santo não tem parte com a iniquidade mas sim com a santidade (At 8.19-23).

"E aquele que guarda os seus mandamentos nele permanece, e ele nele. E nisto sabemos que ele permanece em nós: pelo Espírito que nos tem dado." 1 João 3.24 



13 de Maio de 2016
Autor: G.F. da Silva

Obs.: Fragmentamos o entendimento de Deus, porém Deus é um só. 
(Ef 4.6; 1 Tm 2.5; Tg 2.19; Rm 3.30; 1 Co 8.6; Gl 3.20)