NAÇÃO DO EQUILÍBRIO X NAÇÃO DA IRA




A Escritura relata em Daniel 8 uma guerra entre duas nações: Medo-pérsia contra Grécia. Devemos interpretar tudo que é descrito para que entendamos que a interpretação bíblica transcende um contexto histórico, tornando a Escritura aplicável e útil a qualquer época. O que significa a guerra entre esses dois reinos?

Medo-Pérsia

Média significa "território central" e Pérsia significa “puro” ou “esplêndido”, a centralidade destas duas nações no centro do mundo de então representa o equilíbrio espiritual (média) e essa nação é a nação do povo de Deus, como já era a nação do refúgio dos cativos judeus na época do relato da Escritura.

Grécia

Grécia no hebraico é chamada de Javã, o patriarca da nação. A etimologia de Javã aponta para "yayin", "efervescer" "vinho". Efervescência é ira, vinho é uma metáfora para ira ("vinho da ira", Ap 16.19). A Grécia  é chamada de "bode peludo", essa característica, "peludo", só aparece na Escritura referindo-se a Esaú que é Edom (Edom, "vermelho"). Edom é tipo da nação da ira (leia Obadias). Fica bastante claro essa relação quando o mensageiro diz "eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira".

Guerra entre nações

Na guerra destas duas nações, a Nação do Equilíbrio (Medo-Pérsia) será vencida (pisada) pela Nação da Ira (Grécia). Isso acontecerá por conta do orgulho da Nação do Equilíbrio pois ela engrandecerá a si mesmo (Dn 8.4). A Nação da Ira por seu próprio equilíbrio (Chifre entre os olhos) vencerá esta guerra e serve como instrumento de Deus para ensinar a todos que o orgulho misturado a qualquer virtude é destruidor. Depois, a Nação da ira se dividirá em quatro reinos. Javã, que é a Grécia, tem quatro filhos, são eles Elisá, Társis, Quitim e Dodanim. Cada nome representa um filho (reino) da ira. Elisá: "Deus do que virá"; Társis: valentia; Quitim: escória, consequências; Dodanim: liderança. Primeiro a ira reconhece um Deus (que Deus será esse?), depois gera valentia e consequências (na maioria das vezes ruins) e por fim pode dar origem a lideres, tudo na inspiração da ira. Depois se levantará outro Rei da Nação da Ira. Este é representado por Faneg ("gafanhoto" "destruidor"), tido como príncipe dos Jafetitas no tempo da Torre de Babel, que dividiram entre si as terras da Pérsia, Media e as ilhas do mar. Lembre-se que a história bíblica não é literal mas sim representativa.

O fim da Ira

Dn 8.23 "Mas, no fim do seu reinado, quando os prevaricadores tiverem chegado ao cúmulo": A ira gera transgressão, pecado.

Dn 8.23 "se levantará um rei, feroz de cara": A ira forma lideres arrogantes.

Dn 8.24 "e será entendido em adivinhações.": A ira tende ao conhecimento das trevas"

Dn 8.24 "E se fortalecerá a sua força, mas não pelo seu próprio poder": A ira procede de um poder oculto (Elisá)

Dn 8.24 "e destruirá maravilhosamente, e prosperará, e fará o que lhe aprouver: e destruirá os fortes e o povo santo: A ira resulta em destruição ou morte do povo de Deus.

Dn 8.25 "E pelo seu entendimento também fará prosperar o engano na sua mão": A ira gera entendimento do mal e engano.

Dn 8.25 "e no seu coração se engrandecerá, e por causa da tranquilidade destruirá muitos: A ira resulta em orgulho e destruição de muitos.

Dn 8.25 "e se levantará contra o príncipe dos príncipes": A ira é raiz de rebelião contra Deus.

Dn 8.25 "mas sem mão será quebrado.": O fim da ira é a destruição, a irremediável e natural QUEDA.

Um convite a você, faça parte da Nação do Equilíbrio. Você não será pisado pela Nação da Ira se for sábio e entender o seu lugar, o nosso lugar: aos pés de Jesus. Se você estar aos pés de Jesus e se quebrantar diante dele, você não será pisado por outros. Essa é a sua saída contra o orgulho, a colocíntida que envenena tanto o Equilíbrio, quanto a Ira. Siga esse rastro e te verei vivo no final dos dias! Abraço.



Autor: Gabriel Francisco da Silva Bezerra
05 de Dezembro de 2018